Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

BIOCRÓNICAS

CRIAR BIOGRAFIAS OU CRÓNICAS ROMANCEADAS DE PESSOAS OU EMPRESAS

BIOCRÓNICAS

CRIAR BIOGRAFIAS OU CRÓNICAS ROMANCEADAS DE PESSOAS OU EMPRESAS

04
Out19

ELEIÇÕES PORTUGAL 2019 - EU VOTO PAZ!...AMOR!...HUMANIDADE

romanesco

 

logo_legislativas.png

foto pública tirada da net

*

ELEIÇÕES PORTUGAL 2019
EU VOTO PAZ!...AMOR!...HUMANIDADE
*
não subo nem desço o rio
não gosto de galinha de cristas
vejo o país por um fio
se entregue a tão maus artistas
*
não desço nem subo o rio
abomino cristas que imitam galo
não quero um tal desvario
nem quero ser deles um regalo
*
águas turvas leva o rio
alvorotada vai a capoeira de cristas
vale tudo e eu sorrio
ao ver a arruaça das conquistas
*
tanto ódio insidioso
tanta ganância pelo sangue da manada
paga o justo ao mafioso
que move rio cristas na enxurrada
*
não quero um rio corruptor
nem com cristas corrompidas
quero paz humanidade e amor
mulheres integras são bem-vindas
*
tenho um rio ao pé da porta
e galinhas de cristas bem espaventosas
quando me rondam a vida não suporta
tais aves de rapina indecorosas
*
será que este povo de onde venho
não tem memória do terror
que foram os anos do saque ao pão e ao sonho
com a corrupção a seu favor?
*
eu voto em Humanismo e confiança
na fraternidade solidária do amor
procuro a paz dos tempos desde criança
livrem-me desta campanha de terror
jrg

25
Ago19

EXORTAÇÃO À CONSCIÊNCIA DO INCONSCIENTE PORQUE O TEMPO É CURTO O QUE NOS RESTA

romanesco

 

 

amazonia-720x384.jpg

A Amazónia está a arder

Ártico está a rder.jpg

O Árctico está a arder

Glaciar Islândia colapsou.jpg

O Glaciar Islândia colapsou

Síbéria está  arder.jpg

A sibéria está a arder

fotos públicas tiradas da net

*

EXORTAÇÃO À CONSCIÊNCIA
DO INCONSCIENTE
PORQUE O TEMPO É CURTO O QUE NOS RESTA
*
devo encorajar a juventude
a olhar para dentro
de si e dos corpos em movimento
face à cíclica atitude
da mudança que está no epicentro
por falta de pensamento
*
a mudança ocorre por falência
do sistema vigente
a máquina ultrapassou o humanismo
surgem títeres iluminados de ciência
quem manda no mundo é o indigente
que assenta no fácil populismo
*
os males estão identificados
o lixo forma ilhas nos Oceanos
a poluição ambiental sufoca
o aquecimento degela glaciares gelados
a ganância ataca os puritanos
a provocação projecta a destruição da nossa toca
*
o homem desespera na abjecção do seu iluminismo
quis bastar-se a si próprio de ambição
a ganância sem limites pelo acumular do ter
espezinhou a mulher por machismo
condenou o mundo inteiro à servidão
está louco vai implodir a terra para não Ser
*
é preciso pensar no feminino
na Mulher e Mãe criadora de toda Humanidade
é o ponto de equilíbrio que evita a morte súbita
não tenham medo de inverter o destino
por um momento haja humildade
para evitar a tragédia de entrarmos em órbita
*
exorto à dinâmica do inconsciente
porque é de lá que virá a luz
pensar a sério na economia cooperativa e social
como as formigas dar as mãos ser boa gente
eliminar do consumo o que é falso e nos seduz
sublimar a Paz o Amor a Humanidade por igual
*
jrg

 

13
Abr19

PAZ - AMOR - HUMANIDADE...

romanesco
 

Biblioteca livre.jpg

Desenho de Nuno Gonçalves, Riscos,Rabiscos & Outros "Riscos", in Facebook

*

P A Z - A M O R - H U M A N I D A D E
*
junto as palavras
soletro os tons da sonoridade
que elas emitem
assim como só eu as soletro
H U M A N I D A D E
num grito gritado à beira mar
no retorno do meu grito
as palavras P A Z e A M O R ecoam
unas absolutas
propagam-se em ondas sonoras
atravessam oceanos
adejam pelo ar à procura de abrigo
salvem a P A Z
que as palavras venenosas agridem
salvem o A M O R
cativo do medo da ganancia do ódio
salvem a H U M A N I D A D E
perversamente ameaçada de extinção
pelas palavras dispersas
atiradas ao mundo em contra-mão
por agentes infiltrados
que usurparam a dignidade humana
exorto-as às palavras
livres e plenas de fraternidade
que invadam as mentes
e se fixem no raciocínio humano
porque o planeta é grande
e chega para todos se bem gerido
 
P A Z - A M O R - H U M A N I D A D E
 
jrg
03
Jan19

PELO AMOR

romanesco

AMOR.jpg

foto pública tirada da net

 

PELO AMOR

1 - Decretamos o fim do ódio, da intriga, da sórdida especulação económica e política!..

*
doravante Amor constitui a moeda de troca das relações humanas...

2 - Decretamos o fim da especulação imobiliária!...

*
todas as pessoas têm direito a uma habitação condigna e paga com Amor...

3 - Decretamos o fim dos veículo poluentes, individuais e colectivos!...

*

a comunidade deve organizar-se para sustentar o ambiente e a qualidade de vida com Amor...

4 -Decretamos o fim do ensino para a competitividade e de cariz elitista!

*

o ensino do conhecimento e das qualificações para sobreviver e contribuir para a melhoria do todo é Universal a toda a comunidade e deve usar a componente do Amor...

5 - Decretamos o fim da propriedade privada e das heranças seculares!...

*

o Habitat Terra é de toda a Humanidade...não se reconhecem direitos de propriedade em detrimento de outrem...sendo que a vida é igual para todos...e a todos é reconhecido o direito natural ao Amor...

6 - Decretamos o fim da violência, da escravatura encapotada e da segregação por raça, credo ou género!...

*

Ser humano não é ser mais que qualquer outra espécie animal ou vegetal, nem se lhe reconhece o direito de as destruir ou manipular para gáudio do seu egocentrismo...

7 - Decretamos a reabilitação do Pensamento Feminino!...

*

Ser Mulher e Ser Mãe...Ser a criadora de toda a criatura humana, tem de ser reconhecida como a figura central na organização da vida da Humanidade.

***
jrg

foto pública tirada da net

23
Dez18

FESTAS FELIZES

romanesco

PRIMAVERA 0.jpg

acrílico de Nuno Gonçalves

*

FESTAS FELIZES
*

não sou dono de nada
nem de ninguém
se gritei vivas à Pátria esclavagista
perdoem-me a lograda
tentativa de parecer bem
à primeira vista
*
nasci por detrás das dunas
como horizonte o mar
temi os castigos do omnipotente deus
porque me disseram oportunas
palavras de medo e pesadelos ao luar
contra os chamados ateus
*
disseram-me que deus protegia
os pobres contra a ganancia
mas cresci a aprender que deus foi inventado
pelos ricos para sermos serventia
da sua ambição de poder e inconstância
fiquei por um tempo desorientado
*
fui menino triste do chamado natal
sem festim nem presentes
os pés mal calçados a roupa remendada
sem prendas e uma ceia frugal
a tiritar de frio e a bater os dentes
numa casa desolada
*
todos os dias festejo o natal de alguém
parabéns e um Abraço
troco sorrisos e palavras Amigas
atento ao mal que a vida tem
sublimo o Amor em tudo o que faço
não cultivo ódio nem intrigas
*
parabéns Amigas e Amigos
por mais um natal passado em harmonia
que o próximo ano seja de Primavera
que o Ser pessoa se liberte de divinos castigos
Paz e Amor construídos em cada dia
com a consciência livre a alma pura quem me dera
jrg

25
Nov18

SE EU SOUBESSE O QUE NÃO SEI

romanesco

Pensador Leopoldo de almeida.jpg

escultura de Leopoldo de Almeida

*
sei tão pouco
do tanto que há p'ra saber
quase nada sei
se mais soubesse era louco
por tão bem conhecer
as tramas que tecem a lei
*
o tanto que eu sei é nada
em tanta sabedoria
de sábios tão de tanto afiançados
p'ra minha alma pasmada
que saber tudo eu bem queria
mais os saberes bem guardados
*
o que eu sei já me cansa
por ser tão pouco saber
se eu soubesse o que não sei
abraçaria a criança
que tanto teima em crescer
dentro de mim a fechei
*
mas sinto que algo vai acontecer
é a cíclica mudança
desta feita por falta de pensamento
angustia-me olhar e ver
o desassossego que envolve a esperança
a escalada do ódio do momento
*
mais além vejo um vulto
uma mulher de negro de jeito imponente
sobre o peito um coração
de onde sai uma luz fascinante exulto
luz que entra na mente
que produz um efeito em contra-mão
*
sopraram ventos ciclónicos
a chuva torrencial lavou a terra inteira
sismos terramotos
engoliram armamentos atómicos
o silêncio quebrou a pasmaceira
e logo mais humana gente foi a votos
*
o tempo amanheceu
e toda a gente sabia o que fazer
saudavam-se sorridentes
espalhando luz onde havia breu
com o ódio a morrer
e a ganância excluída dos viventes
*
fecharam bancos prestamistas
bolsas e mercados
a usura a mais valia foram banidas
a alegria inundou os pessimistas
a economia social vingou sem dados viciados
as crises foram vencidas
*
alteraram-se os valores de riqueza
tão mais rico é quem mais ama
cada um sente prazer em fazer parte do Ser
não há mais fome nem pobreza
toda a gente tem direito à saúde mesa e cama
ninguém mais terá medo de viver
*
porque somos todos uma só humanidade
haverá um só território
uma só língua falada e escrita
uma só verdade
sobre a mentira sem o contraditório
a lei antiga é prescrita
*
se eu soubesse o que não sei
e visse para além da realidade oculta
uma premonição
o alvorecer duma nova grei
onde o ser avulta
e o amor abunda em todo o coração
jrg

 

17
Jun18

PONTES QUE LIGAM IDEIAS

romanesco

Pontes.jpg

 Desenho de Nuno Gonçalves, em

Riscos, Rabiscos e outros "Iscos"

...

PONTES QUE LIGAM IDEIAS
*
pontes que ligam margens
lugares e pessoas
que ligam ideias sem vencedor
pontes que trazem vantagens
se tiverem bases sólidas e boas
construídas com amor
*
a ideia não é de ninguém
nasce da memória colectiva
da ligação de pontes
da vontade de partilhar o bem
para uma humanidade activa
que construa novos horizontes
*
precisamos de pontes ligadas
à ideia em gestação
que permitam a aprendizagem
a troca de ideias já fundadas
sem soberba e sem ostentação
livres da ganância e da voragem
jrg

Desenho de Nuno Gonçalves, em

Riscos, Rabiscos e outros "Iscos"

31
Dez17

FELIZ ANO 2018 - QUE SEJA ANO NOVO - QUE SEJA ANO BOM - FELIZ ANO NOVO HUMANIDADE!

romanesco

 

Antártida.jpg

Samoa.jpg

Vavau Tonga.jpg

Terra.jpg

 imagens públicas tiradas da net

...

FELIZ ANO 2018
QUE SEJA ANO NOVO
QUE SEJA ANO BOM
FELIZ ANO NOVO HUMANIDADE!
*
é em Kiribati
em Samoa e Tonga
que todos os anos
o ano muda primeiro
ainda que seja
a primazia na Antárctida
deserta de humanidade
que a hora muda
do passado para o futuro
isto no calendário
chamado Gregoriano
todos os anos
cada mudança de ano
há o desejo o voto
a esperança a euforia
a promessa a jura
de que seremos melhores
talvez bebamos demais
porque não passamos de bárbaros
ante a humanidade
humilde simples genuína
ou talvez seja desta
dizemos de corpo erguido
inebriados de emoção
a derradeira passagem do velho
para o novo humanismo
Bom Ano novo e Bom activai
a nossa consciência
envia-nos pétalas de Primavera
jazidas de amor
poços de amizade fraterna
paz sem condições
boas cotações na bolsa da fraternidade
átomos mutantes
porque é duma nova mutação
que a espécie humana precisa
sem ganância nem inveja
sem luxúria sem intriga ciúme
sem corruptos ladrões
porque Humanidade somos todos
e cada um de nós
Feliz ano novo Humanidade!
jrg

26
Jan17

HÁ QUANTO TEMPO O AMOR PAROU!...

romanesco

amor.jpg

imagem pública tirada da net

 

Há quanto tempo o amor parou? O mundo assiste a uma escalada desprezível de hipocrisia e egoísmo...somos cada vez menos importantes para cada um de nós...o que conta é a nossa vida... a nossa interpretação das coisas e o que parece ser...a panache do imediatismo fútil...não interessa o interesse da humanidade...da natureza...os Mares...o Ar...a própria Terra...os outros animais que connosco partilham silêncios e gritos de dor...parecer ser...enquanto hipotéticas sociedades secretas continuam a mandar matar gente inocente, porque já somos demais! jrg

19
Dez16

MEMÓRIAS DO TEMPO DAS FESTAS DE NATAL NA VILA ONDE CRESCI...A COSTA DA CAPARICA

romanesco

A Gisela.jpg

O João Paulo.jpg

 

 

MEMÓRIAS DO TEMPO DAS FESTAS DE NATAL
NA VILA ONDE CRESCI...A COSTA DA CAPARICA
***
Na vila da Costa da Caparica onde eu cresci, todos os anos pelo natal toda a gente estreava uma roupa nova...todos menos os filhos da Aldigundes porque eram duma pobreza extrema...havia arroz doce na mesa, filhós e rabanadas caseiras...e um brinquedo, nem que fosse de de madeira grosseira ou de lata com pintura esborratada...
*
Matava-se o Perú que todo ano se alimentara de minhocas e grãos no juncal...às vezes de restos de hortaliças...porque era o dia de comer carne em terra de peixe farto...
*
Lembro aquele natal em que, como habitualmente, não esperava ter os presentes dos meus sonhos de menino...noite dentro ouvi as vozes da mãe e do pai num sussurro de mistério...a noite era fria mas a curiosidade aquecia-me o corpo e a alma impacientes...
*
Foi no ano em que descobri que não havia pai natal...que afinal era o meu pai quem preenchia o sapatinho à meia noite com a prenda que podia comprar...acordei o meu irmão após o silêncio que indiciava que os pais se foram deitar e fomos junto à
árvore de natal onde tínhamos colocado as botas de cardas... vimos que as botas tinham presentes...e quando nos preparávamos para os desembrulhar, ouvimos a voz do pai a mandar-nos deitar...
*
A noite passou tão lentamente que doía de tanto imaginar o que estaria dentro daqueles embrulhos compridos que não se pareciam com nada...sonhos e pesadelos alimentaram o pensamento adormecido...voltas e mais voltas na cama de folhelho .*
Enfim era manhã...já o sol entrava pela janela e ouviam-se vozes vindas da cozinha...corremos para a árvore...cada qual à sua bota...rasgámos o embrulho...e... a nossos olhos deslumbrados, um revólver que parecia de verdade, grande, de cano
comprido, com o tambor cheio de balas e que rodava...um gatilho que ao disparar fazia um estalido seco...tal qual como os dos filmes americanos que, à socapa, já começáramos a ver...com coldres e tudo...o cinturão...não...não era sonho...
*
Só muito mais tarde é que aprendi o verdadeiro significado do natal e de como havia muitos mais filhos de Aldigundes que não estreavam roupa nem recebiam presentes...
 
Mas pronto...é uma tradição festiva...trocam-se presentes e comem-se iguarias...juntam-se famílias...algumas desavindas aceitam as tréguas e no calor do álcool até trocam abraços e sorrisos...por um dia descobrem a paz e o amor que trazem
escondidos o ano todo...
*
Amanhã é já outro dia e uma semana depois um ano novo...renova-se a esperança...acicata-se o ódio...a indiferença...mas há sempre alguém que se passa
para o lado do amor...um dia seremos humanidade a sério...acérrimos defensores da nossa dignidade humana e da dos doutros...para que ninguém fique do lado de fora da
festa...de todas as festas...um dia em que não haja guerra nem terror sobre os inocentes...
*
Boas festas para todos e activem a consciência...por um novo Humanismo!...
jrg
PS:
Obrigado meus pais Natal por me incentivarem a sonhar!...jrg

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

Links

excelência

<a href="http://astrid-annabelle.blogspot.com" target="_blank">

amigos

Arquivo

    1. 2019
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2018
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2017
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2016
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2015
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2014
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2013
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2012
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2011
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2010
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2009
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2008
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D