Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

BIOCRÓNICAS

CRIAR BIOGRAFIAS OU CRÓNICAS ROMANCEADAS DE PESSOAS OU EMPRESAS

BIOCRÓNICAS

CRIAR BIOGRAFIAS OU CRÓNICAS ROMANCEADAS DE PESSOAS OU EMPRESAS

14
Nov12

"ACORDAI" POVO DA LUSITÂNIA !!!

romanesco
vídeo sapo

*

"ACORDAI" POVO DA LUSITÂNIA

*

ouço os apitos lancinantes

das ambulâncias

vejo as chamas de meu país a arder

enquanto as feras rapinantes

se escondem nos buracos das instâncias

de onde saem ordens para morrer

*

não adianta senhor ministro

dizer que são arrivistas

meia dúzia contra um batalhão

tão criminoso é quem condena o cristo

como o carrasco que encurta as vistas

o mais é só cavar a divisão

*

ouço as ambulâncias a apitar

a violência é do governo de ladrões

a mando da alta finança

recebem ordens para atirar a matar

sobre a revolta dos escravos das nações

não podemos permitir esta matança

*

aumentam produtos e serviços

cortam salários rasgam reformas e pensões

são assassinos marginais

arrasaram a economia mantém vícios

enchem os bolsos dos ladrões

ó povo da Lusitânia quando acordais?

*

ouço as ambulâncias na agonia

velhos crianças enfermos

mulheres libertas das milenares grilhetas

não sou poeta mas convoco a poesia

a haver paz tem que ser com os nossos termos

o tempo escoa nas ampulhetas

*

já não saem à rua senão bem guardados

são a maior vergonha dum povo

impostores infames borrados de medo

atiçam as feras seus paus mandados

querem ganhar custe o que custar o viciado jogo

mas o tempo mudou já não é segredo

*

ouço ambulâncias trinonis pungentes

levam o desespero da nação

os povos têm o direito à resistência

nesta chacina somos inocentes

unidos contra corruptos somos a revolução

que começa na nossa consciência...

autor: jrg

19
Abr12

FLORES NÃO FAZEM REVOLUÇÕES...

romanesco
imagem pública tirada da net
*
FLORES NÃO FAZEM REVOLUÇÕES
***
já os cravos secaram
nos craveiros
passada que foi a euforia
vermelhos debutaram
são de sépia agora nos sequeiros
onde os guarda a poesia
flores da memória que murcharam
*
o tempo hoje é das rosas
de cores garridas
com espinhos agrestes invasivos
de magnólias viçosas
papoilas silvestres nas avenidas
de odores pró-activos
em versos de estrofes mimosas
*
cheira a pólvora seca
fulminantes ou rastilhos de revolta
correm rumores já tardios
rostos corados da indignação que peca
na mesquinhez da razão à solta
somos da alma humana parem os gemidos doentios
o que queremos é ser a força que vença
*
jrg
12
Abr12

PORTUGAL DETIDO E SOB VIGILÂNCIA ELECTRÓNICA !...

romanesco

 


PORTUGAL DETIDO
SOB VIGILÂNCIA ELECTRÓNICA
*
esta gente
que hoje se governa à vista
em Portugal
não existem são um pesadelo
cinco deles
são sinistros como os abutres
Gaspar Coelho
Relvas Portas Paulo Macedo
os outros
são parte tenebrosa do enredo
*
um presidente caduco 
no sistema  falido semi feudal
floresce no engodo
que corrompe a parte publica
sindicatos
foros comuns e constitucionais
partidos engajados
sem alma submersos na história
à procura
de serem um dia maré d'ocasião
*
depois há um certo povo
a viver outro país em paralelo
a desenrascar-se 
deste jogo sórdido da ganância
livre d'impostos
mais esperto que os chacais
biscates drogas favores
coisas da terra ou do mar a sobreviver
às vezes caem do céu ideias novas
que calam astutamente
*
então vieram uns lunáticos
que amarraram Portugal ao seu destino
servidos por lacaios cheios de vento
detiveram o país declarando-o insolvente
e assim está parado
há meses sob vigilância electrónica
declararam ricos
sendo tão de tanto pobres a uns tantos
a quem cortaram rendimentos
lançando uma cruzada contra quem trabalha
*
se o que está dar é a paralela
o povo não estrebucha deste tratamento
uns por ignorância outros por medo
não saem a terreiro acreditam na valência
de viver esta aventura
como cristãos novos perseguidos a seu tempo
já então eram culpados
perante a inquisição e quem gere os seus condados
pobre "povo nação valente..."
por tão torpes governos desgovernados
autor: jrg
29
Jan12

PORTUGAL A NU...

romanesco
****
imagens púplicas tiradas da net
{#emotions_dlg.bouquete}
{#emotions_dlg.blueflower}
{#emotions_dlg.redflower}
{#emotions_dlg.blueflower}
{#emotions_dlg.bouquete}
{#emotions_dlg.blueflower}
{#emotions_dlg.orangeflower}

***
PORTUGAL A NU...
*
eis o retrato a sépia deste país
despido de sua dignidade
sem engenho e arte acobardado
rendido a valor algo infeliz
sem achar em si excelsa validade
vitima da cobiça do passado
*
rostos de gente pobre entristecida
a acarretar fardo pesado
nem sorrisos nem ligeira correria
a alma vagueia espavorida
na rua de trânsito lento moderado
ninguém chora morreu a alegria
*
contaram-nos histórias duma vida
invencíveis bárbaros senhores
contra castela invasores sarracenos
a terra é pobre de pedra vestida
melhor era se fossemos navegadores
ditosos de espada e cruz serenos
*
a achar riqueza alheia enobrecemos
e de novo caímos na desdita
salvos por camões n'outro naufrágio
logo à inquisição agradecemos
a ventura de julgar quem não acredita
senão for de verdade é de contágio
*
longo foi o tempo da pasmaceira
enlevando o pensamento
que a noite é bela mau grado a insolvência
do império em agonia derradeira
afastados da abastança que grassava no momento
orgulhosos da nossa consciência
*
e de novo de fora chegam promiscuas alvíssaras
cabe-vos ser dos serviços serviçais
nada de mar em barcas tão pouco sólidas
nem rural ou indústrias raras
façam vias corruptas para transportes ilegais
vivam felizes sem ideias mórbidas
*
embarcamos na luzidia indústria financeira
a soletrar progresso com embuste
entregamos o mar a floresta e o ambiente
até a alma foi na leva prisioneira
entregue a preço certo por vil e divino ajuste
fica refém de quem a teme mas não sente
*
o tempo é de pensar a novidade
varrer o lixo putrefacto
que infesta de cinismo parte da nação
tomar de assalto a estulta vaidade
rendida à sedução de estranho espalhafato
que indigna na alma o cidadão
*
o tempo é de não temer a ironia
ilusão do poder falacioso
que ninguém se acanhe ante a oratória
somos um povo inverso à heresia
que quando morde é como um cão tinhoso
que se ergue das mazelas e faz história
*
o tempo é de rigor e resistência
se um povo o quer e sente
há um caminho novo em construção
que fundamenta a consciência
e se constrói da revolta permanente
que a insidia provoca ao coração
*
o tempo é de não deixar ela partir
a corda que une a dignidade
cada um em seu saber mas todos a aprender
que o mundo novo a parir
nasce mais belo e justo de verdade
se sair dum ventre de mulher


autor: jrg 
(pária..apátrida..cidadão da MÁTRIA em construção..)

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

Links

excelência

<a href="http://astrid-annabelle.blogspot.com" target="_blank">

amigos

Arquivo

    1. 2018
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2017
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2016
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2015
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2014
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2013
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2012
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2011
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2010
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2009
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2008
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D