Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

BIOCRÓNICAS

CRIAR BIOGRAFIAS OU CRÓNICAS ROMANCEADAS DE PESSOAS OU EMPRESAS

BIOCRÓNICAS

CRIAR BIOGRAFIAS OU CRÓNICAS ROMANCEADAS DE PESSOAS OU EMPRESAS

05
Jun11

TODOS OS ANOS...OS ANOS !...

romanesco

«««//»»»

lembro-me de quando fazia anos...
a magia no desembrulhar das surpresas...
as mãos tantas vezes vazias...
as palavras que limitavam os danos...
os olhares que apagavam tristezas...
a alma exuberante de fantasias...

*

lembro-me os dias de fazer anos...
os castelos de areia desfeitos no mar de maresia...
os sonhos de crescer em cada pesadelo...
a mente a estalar pelos desenganos...
as sobras dos anos que um outro fazia

os brinquedos de lata ou de pau singelo...

*

lembro-me de quando fazer anos
era uma marca efémera de ser menino
os doces a roupa estreada ser maior crescer
perdidas desculpas pelos erros humanos

és grande quase um homem e tão pequenino

trabalhar estudar deus pátria família a ceder

*

hoje por minha própria vontade
não quero fazer anos lembrar que cresci
sou apenas um momento breve de que guardo memória
para quem me sentiu sou mera saudade
do tempo a que me ajustei e nele me perdi

à deriva dos ventos à mercê dos ecos da história

*

porque todos os dias há uma efeméride
que assinala cada movimento na descoberta de existir
um manifesto de amor
sou sendo centro de gravitação dum asteroide
que me atrai de encontro às partículas do devir
adejando sobre sensuais pétalas de flor

*

jrg

02
Mai11

ABRIGO-ME !...

romanesco


abrigo-me na tua alma poesia
onde de amor me sustentas
não no teu corpo que me repudia
quando a ti própria afuguentas

abrigo-me na tua alma poderosa
frágil na dor que me tortura
ao suportar esta vida monstruosa
que tira do amor sua ternura

abrigo-me na tua alma secreta
faminto sequioso de esperança
não que me assuste a noite preta
mas sim este viver sem confiança

abrigo-me na tua alma nua
vestido de versos sob as estrelas
nos dias em que o poder da lua
me comprime as fontanelas

abrigo-me na tua alma adúltera
que se mistura doce no dueto
nada em mim de ti em ti se altera
quando um verso noutro meto

abrigo-me na tua alma sedutora
que me traz a paz e o amor
quando da minha emana criadora
a alma de poeta e sedutor


jrg

21
Abr11

PARABÉNS NUNO DEMPSTER..por K3!!!...

romanesco

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


Parabéns Nuno Dempster

 

 

***

K3 é uma narrativa épica

uma evidência do homem amesquinhado

Um poema contra a intransigência

é um poema com alma dentro d’alma poética

que sublima o equilibrio postulado

e se apega como lapa à nossa consciência

 

K3 é poesia do amor e da esperança

ainda que a morte desta seja no homem subjacente

Porque é poesia das entranhas visceral

regurgita memórias da memória fantasias de criança

na unidade do homem com o seu inconsciente

traz no acontecido um apelo à mudança Universal

 

 

K3 é em cada verso cantante uma epopeia

dum povo ingénuo e subserviente a estulta sina

 que aprofunda a alma da nossa dimensão

de sermos capazes de tecer fora honrosa a teia

sendo no nosso seio quem mais se omina

por onde jorra o sangue inútil em dispersão

 

K3 são cinquenta e seis páginas dum poema

onde se diz da alma inteira Lusitana

são vinte e cinco minutos de leitura emotiva

no fim solta-se do algoz a torpe algema

e nasce por magia um povo novo da alma insana

onde mergulhara a esperança ainda viva

 

K3 ah se fosse lido por um milhão

nem por mais nem por menos a tanto monta

dez por cento de gente iluminada

não já pelo canto que exacerba a grei na ilusão

tão pouco pela elegia  que nos condena quando nos afronta

mas pela descoberta do valor de nós em ele achada

 

K3 é um bote face ao galeão de Homero

como os Lusíadas foi salvo do naufrágio aqui pela memória

sendo um poema da alma humana toda inteira

onde não falta a beleza feminina dita com dúctil esmero

nem a morte que reforma a nossa história

sequer o rumo inverso que nos toma a dianteira

 

K3 por fim agora é uma exortação à alma Portuguesa

é um poema que inspira a alma na mudança

uma leitura necessária para que a paz não se esmoreça

que varre do horizonte o estigma da tristeza

e nos incita a não temer dar vida à nova esperança

que o poeta quer que o mundo não esqueça

 

autor: jrg

16
Abr11

ESCRITOS À MARGEM DA GUERRA!...II EM FILA INDIANA CONTRA A FOME!...

romanesco

 

 

 

foto tirada da net no blog VERDE GAIO fotos

 

 

 

ESCRITOS À MARGEM DA GUERRA...II
EM FILA INDIANA...CONTRA A FOME!...

(para Kalibo...com amor!...)
{#emotions_dlg.bouquete}

para quem não sabe ou ainda não sabia
esta fila de meninos tão ordeira
no silêncio que queimava a ansiedade
não era para ir à escola ganhar sabedoria
nem para ser figura duma brincadeira
onde os corpos nus ganhassem notoriedade

as latas na mão marmitas improvisadas
os olhares fixos no ente pró-seguinte
olhem bem são gente como nós confiantes
barrigas salientes tão de carências inchadas
olhos no chão como soa o ser pedinte
aguardam a partilha dos restos expectantes

para quem não sabe ou ainda não sabia
a guerra toda a guerra é um insulto à humanidade
a comida sendo farta era mal confeccionada
na divisão da rês ao soldado o que cabia
eram vísceras a gordura e sopa sem qualidade
os restos eram doados a troco de louça lavada

nesta fila tão tanto expressiva de crianças
que aguardam serenamente por restos de comida
há um esgar de esperança nos gestos da soldadesca
e promessas doutras trocas que se cruzam nas andanças
já de alma comprada pela barriga corrompida
prometem trazer galinha à noite por ser mais fresca

para quem não sabe ou ainda não sabia
há quem lute e desespere no meio de tanta indiferença
hoje como há mil anos sem pausa para descansar
ante a santa hipocrisia dos cristãos que lá havia
esta fila de crianças é de FOME reza a sentença
de COMIDA de PRAZER mas também do verbo AMAR

autor: jrg

12
Abr11

O MELHOR JOGADOR DO MUNDO!!!

romanesco

O MELHOR DO MUNDO

{#emotions_dlg.blueflower}


quando um sonho de menino
nasce em ilha esquecida
rompe o caminho estreitinho
e renasce noutra vida

quando um sonho se agiganta
vence a barreira do mar
se faz ao mundo nele espanta
na magia de encantar

quando um sonho é a vontade
dentro do homem a sonhar
nasce inveja gula à saciedade
querem vê-lo a naufragar

quando um sonho vem d'alma
não há poder que perturbe
vencedor o mundo o aclama
por maior que seja a urbe

quando um sonho é tão forte
visto em país pequenino
todos querem ser dele o norte
homem rico tão menino

quando um sonho a tantos aproveita
o risco é grande o mar profundo
na ilha há sempre alguém que espreita
o fim do sonho do melhor do mundo

quando um sonho já é realidade
só resta aos demais a indiferença
que dotam a mentira da verdade
cansados de ditar sua sentença

quando um sonho cresce e já não cabe
nem na ilha nem no continente
calam-se as vozes de quem sonhar não sabe
e segue o crescimento permanente

autor jrg

31
Mar11

VIOLÊNCIA!!! nãoooooooooooo!!!

romanesco

 

 

 

foto tirada da net

 

 


{#emotions_dlg.bouquete}

 

 


vejo o teu rosto triste cansado
a pele ainda em si tão nova já envelhecida
o olhar fixo no chão rastejado
o sorriso  agonizante na tua boca escondida

vejo o teu corpo mártir de mulher
desde criança da vil fraqueza violentado
por homens frustrados sem saber
o crime horrendo que em ti foi praticado

vejo a tua alma refém da violência
porque és mãe e foi no teu ventre que geraste
os filhos que te rasgam a consciência
não permitem que te libertes de tal traste

vejo no fundo da alma a força inteira
à espera dum rasgo de coragem num lampejo
que te permita tomar à vida a dianteira
saindo desse atoleiro de viver onde te abreijo

nenhum homem tem qualquer direito
de bater ou submeter a mente de uma mulher
que sendo mãe do mundo por sorte ou por defeito
respira a vida toda vergada sem querer

nenhuma lei humana é bem medida
se não cuida da intenção na prática continuada
ao permitir que a vitima seja vencida
por coacção subtil e violência disfarçada

casar não é comprar por mercadoria
nem há lugar para proteger ou omitir o salafrário
a honra é invenção do homem sem sabedoria
exorto toda a mulher a libertar o seu contrário

autor: jrg

28
Mar11

TRILOGIA DO FOGO !...ALZHEIMER !...

romanesco

 

foto tirada da net

 

{#emotions_dlg.bouquete}

 

encho de poesia a triste dor
na esperança de espalhar a alegria
que traduz o sofrimento por amor
deixando de lado a fantasia...

jrg

***


TRILOGIA DO FOGO

***

ALZHEIMER

 

Ah! A vida!

Alerta-te!

Tu não és mais criança!

O que tu dizes não é mais fato.

Agora é sério!

Acorda para vida real!
Esse mundo é neurótico!

Sincrético!

Aneurisma cerebral!

Sem sincronia!

Os opostos andam separados.

Cada vez mais distantes.

Mal se notam!

Acorda!
Pareces tartaruga!

Antes eras lebre!

Esquecestes?

A pressa é inimiga da perfeição.

Mas tu não podes parar!

Não dá pra parar!

Acorda para vida real!
O que tu fazes aqui?

Nossa, tu estás diferente!

Estas muito mais bonito!

Não! Esse não sou eu!

Quem eu sou?

O que sou?

Não olhe pra trás!

Não ande para trás!

Não volte ao teu passado

Que este te atrasa,

Te faz lembrar!

Lembrar?

O que tu tens que esquecer!

Nada dura para sempre!

Essa é a realidade!

Acorda!

Acorda!

Acorda!
Acordei!

Quem é esse velho?

Onde estamos mesmo?

Eu quero voltar para minha casa!

Eu quero voltar para casa!

Está todo mundo me esperando lá!

Tá todo mundo me esperando...
Acorda!

Acorda!

A corda acorda no pescoço da memória.

É assim que se morre!

É assim que a vida anda de costas!

E é assim que tu vais sendo esquecido.

Aos poucos!

Acorda!

 

. . . . . .

Silvia

M endonça

^^^ ~~~~ ***


ALZHEIMER

Chego sorrateiro na companhia do tempo, que precariamente lhe consome.

Infiltro-me no processo de envelhecimento, me fazendo natural em seu esquecimento,

               em sua desorientação do não lembrar, mas, meu objetivo maior é destruir,

progressivamente seus neurônios,

é lhe deixar em completa apatia,

sem motivo, levar à depressão aparente,

se possível roubar-lhe seu juízo e critica,

na confusão de seu raciocínio.

Tornar-se sua incessante ansiedade,

sua inquietação, sua agressividade.

Desorganizar seu sono e seus pensamentos em delírios.

Dificultar sua locomoção, lhe deixar em total dependência.

Roubar-lhe sua funcionalidade, seu cognitivo racional, encolher seu cérebro.

Sou o mal crônico a causar sofrimento,

Posso também ser precoce, esteja atento.

Sou... ALZHEIMER!  

Lufague

*****

 

ALZHEIMER!

 

Visto de dentro o paciente

Quem sabe? aos poucos vai-se desapercebendo

Ouve um alarido que não mais sente

Nem sabe do mal porque vai morrendo

*

A princípio talvez ainda se debate

Os neurónios em cadeia esboçam feroz a reacção

Irrita-se explode toca sinos a rebate

Até ao dia em que a alma chama o corpo em vão

*

Visto de fora é alvo da chacota

Leva algum tempo a mente sã a se aperceber

Que o paciente agora vem revestido a terracota

Vai precisar de quem o saiba entender

 

Torna-se arrepiante para a memória

Olhar em frente o corpo estático ao movimento

Saber que ama aquele ser e sua história

Sentir o medo de viver na aspereza do tormento


Visto de cima não é nada da gente

Quem é a senhora? estrebucha o pensamento

Ninguém está preparado para olhar de frente

O mal alzheimerado impávido lamento

 

Que maldade a dos elementos tão aviltantes

Que se conluiem no silêncio em segredo

Não escolhem como e quando surgem penetrantes

Ainda que deles não tenhamos medo

 

Visto de baixo de onde o mal se expandiu

É como um louco que se diz numa outra dimensão

Ninguém pode garantir que no dizer sandio

Não haja uma mensagem de amor à vida em submissão

jrg

 

 

 

18
Mar11

PARKINSON...A POESIA E O POETA!...

romanesco

 

 

 

 

 

{#emotions_dlg.bouquete}

para o Rogério Martins Simões...com amor

 

***

 

Nasce tão tanto inocente a criatura
E logo ao nascer nela renasce
Em cada célula por maldade ou por ventura
Um estigma genético sobre a catarse

Se alguém assim gerado ao renascer
Não escolhe ser da poesia na alma um portador
Porque teima o corpo em vão sofrer
Quando no auge da criação um poeta é só amor


Sorrateira vem tão de repente
A tomar conta no corpo do movimento
Procura nos neurónios eminente
A prontidão da alma que eleva o pensamento

Não se sabe quem é de onde vem
Nem se reconhece remédio ou valimento
Apenas que atinge o homem pai ou mãe
E nele solta atroz o sofrimento

Deram-lhe o nome sonante de Parkinson
Que lentamente tolhe a motricidade
Come neurónios e na palavra toma o som
Estremece no corpo inteiro a vontade

Não se compadece com a erosão
Que na vontade de cansaço provoca o desalento
Só a força indómita dentro da razão
Friamente composta de “amor e dor” é provimento

Meus olhos brilham estrelas rutilantes
Ao sentir a energia do poema à volta e dentro do poeta
Resistente da esperança luz de efeitos brilhantes
Que almeja na Parkinson ser profeta

Cansado o poeta acena à indiferença
Com que ela avança segura e célere em prontidão
Recusa pelo verso ser dela a sentença
E lança a poesia além da alma pelo coração

Eleita deste modo profícua a poesia
Assume o homem nela uma nova e alta dimensão
Reduz toda a doença à mera fantasia
Ao ser em cada verso antídoto à sua evolução

Autor: jrg

08
Mar11

EIS A MULHER !!!

romanesco

 

 

 foto tirada da net

 

 

{#emotions_dlg.bouquete}

 

 

eis a Mulher!

não importa se é vistosa
se é fiel ou adúltera
não é um ser qualquer
de humana a mais corajosa
criadora se pudera
mãe da vida do que é ser

eis a Mulher !

não importa se é rameira
se fantasia a vivência
não é fêmea de aluguer
é de humana a derradeira
refém da consciência
da humanidade sem querer

eis a Mulher !

não importa se sábia ou fútil
se é apta ou insuficiente
não é pétala de malmequer
deitada fora por inútil
quando alguém já a não sente
ou o seu corpo não quer

eis a Mulher !

saia curta o decote ousado
como se mexe mimosa
no escritório assediada
no campo manobra o arado
na fábrica sorri airosa
na rua encanta a passada

eis a Mulher !

traz no ventre uma criança
carrega um mundo às avessas
se falha o homem ela paga
donde emana tanta esperança
tida por tão frágeis crenças
segredo que a alma afaga

eis a Mulher !

no olhar um sorriso de luz
escritora poetisa ou jornalista
empresária professora
a todo o mundo encanta e seduz
na sua condição feminalista
que trata a vida como sua autora

eis a Mulher !

alma de amor secreta misteriosa
seu perfume femenil
educada para servir antigamente
como é bela vaporosa
na alegria tão de tanto juvenil
com que liberta mente !...

autor: jrg

27
Fev11

AMOR SEGREDO LUNAR !!!...

romanesco

 

 

 

foto net: lua_no_mar.gif...prwagnerdesalles.wordpress.com

 

{#emotions_dlg.bouquete}

namorei uma menina
nativa do signo de Escorpião
linda airosa e felina
de fogo ardente explosão

 

namorei uma mulher
com alma duma criança
pétala a pétala malmequer
terra profunda esperança

 

namorei uma miúda
de todos os ventos cantante
que de amor a mim se gruda
inda hoje é minha amante

 

namorei uma senhora
nas águas de tanta maresia
dos meus poemas é cantora
me dá vida à poesia

 

conjuguei nos elementos
o signo paixão do Zodíaco
e no meu fiz cruzamentos
dum odor paradisíaco

 

de tal sorte apaixonado
descobri nela o segredo
há tantos milénios guardado
na atrofia do medo

 

prometi que tal calaria
não vou aqui desvendar
levanto do véu alforria
amar magia ao luar

jrg

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

Links

excelência

<a href="http://astrid-annabelle.blogspot.com" target="_blank">

amigos

Arquivo

    1. 2019
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2018
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2017
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2016
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2015
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2014
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2013
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2012
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2011
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2010
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2009
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2008
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D