A LUÍS SIMÕES, TRANSPORTES E LOGISTICA

Leonel Simões era cabo quarteleiro e tinha à sua responsabilidade todo o armamento e munições que estava consignado à Companhia.

Era oriundo de uma família batalhadora que se dedicava ao transporte de mercadorias e entregas diversas. Um negócio que ia pagando as despesas e permitia uma vida despreocupada mas sem grandes desafogos. A Luis Simões transportes.

A guerra retirara a sua preciosa colaboração à pequena empresa onde o pai era a alma e o corpo que a fazia ímpar no ramo.

Leonel era um jovem empreendedor. Tinha ideias que germinavam como cogumelos em mata húmida. Na guerra, onde o calor e a humidade levavam a maioria à cantina, Luís magicava oportunidades.

Verificou que os militares gostavam de tirar fotografias, mas que, tendo máquinas, tendo motivos, não tinham como as revelar, tornar reais, passiveis de testemunhar as suas realidades e ou fantasias.

Leonel montou um pequeno e rudimentar laboratório para revelação de fotografias e fez dinheiro enquanto  a maioria se espraiava pelas sombras do ócio.

Quando regressou, a casa, encontrou a velha empresa em dificuldades com a concorrência emergente, dadas as condições que entretanto se abriram à criação de negócios, pela abertura politica que o antigo regime, renovado, permitia, ainda que dentro dos parâmetros das velhas famílias dominantes da economia.

Leonel obteve o acordo do pai e dos irmãos e lançou mãos à modernização da empresa, da frota, dos objectivos estratégicos. Colocar em prática tudo o que pensara nos dias e nas noites longe, onde o calor e a humidade uniam forças, ele manteve as ideias em zona temperada para que fluíssem. E fluíram.

Mas podia ter sido o Luís Simões, ou o Jorge Simões, os ideólogos estratégicos que

transformaram a Luís Simões numa das maiores empresas de distribuição e logística da Península Ibérica.

....

Podia ser o inicio de uma história de vida romanceada, a envolver negócios, empresas de estilo familiar que ainda são o sustentáculo do país.

É o que me proponho. Escrever sobre vidas anónimas que valem as luzes da ribalta ou a fixação histórica e que traduzem a essência de um povo. Primeiro de uma família. Primeiro ainda, ou antes de tudo, a essência de um homem, de uma mulher.

Escreverei por encomenda, preços de acordo com extensão e pesquisa de documentação.. Mas com a paixão que o percurso proposto me suscitar.

Aguardo propostas.

 

sinto-me: Inspirado
música: batuque africano
publicado por romanesco às 11:10
link do post | comentar | favorito