Sábado, 20 de Abril De 2013

A SALVAÇÃO DUM PAÍS


***
A SALVAÇÃO DUM PAÍS
**
o meu país definha
em cada dia do tempo que passa
e ninguém parece ver
um país cercado d'erva daninha
voraz erva tão devassa
que não deixa meu país crescer
*
o meu país não acorda
do sobressalto nem do pesadelo
levado pelo vento à deriva
miga pão e bebe vinho faz açorda
abarca a mentira com desvelo
marca passo à espera da maré viva
*
o meu país está num beco
cuja saída se encontra obstruída
é uma ilha que o mar afunda
sem alma nem esperança um poço seco
à espera da ajuda desvalida
dos poderes insanos onde o ódio abunda
*
o meu país precisa
do ar purificador dum tempo de paz
perene de valores humanos
duma ideia que se torne na mente concisa
ou no coração tanto me faz
desde que livre do arbítrio dos tiranos
*
no meu país de gente boa
é preciso que a palavra esperança
reconstitua orgulho e alegria
de Caminha a Faro passando por Lisboa
encher a alma de confiança
varrendo o lixo do poder em confraria
*
no meu país há quem cante
que almas mortas ou somente moribundas
resvalam da coragem com desânimo
não ganhamos esta guerra senão avante
de peito aberto às barafundas
que ultrajam um povo nobre e magnânimo
*
no meu país há uma rota
ouço tambores que rufam rumo à vitória
assim acreditem os do povo maduro
armados do saber que é hoje a nova frota
a tirania é estúpida sem memória
cerremos fileiras em torno do pensamento puro

autor: jrg
sinto-me: inquietado
música: Os Vampiros - Zeca Afonso
publicado por romanesco às 21:03
link do post | comentar | favorito
Quinta-feira, 14 de Fevereiro De 2013

REVOLUÇÃO

foto pública tirada da net

*
REVOLUÇÃO
***
cansado de viver sem beira
ocupei um monte ermo
junto às águas dum ribeiro
já o sol varria a eira
lancei sementes sem termo
despedi-me do rendeiro
*
de barraco fiz abrigo
roubei galinhas deu pintos
dispus flores legumes
a pensar nos meus amigos
guardei brancos e tintos
para acender outros lumes
*
cuidei das árvores de fruto
aceitei cabras leitões
troquei favos por saladas
não mais vesti de luto
nem nos poemas as lesões
mancharam alvoradas
*
tão velho mas perseguido
por governo de ladrões
moído de terror indignação
rejuvenesci combalido
salvei alma perdi milhões
ganhei paz no coração
*
construi meu mundo novo
sob governo do tempo
que não m'onera d'impostos
sou eu poder eu povo
sem medo à chuva ao vento
livre de tais desgostos
*
jrg
sinto-me: à deriva
música: Os Vampiros - Zeca Afonso
publicado por romanesco às 23:47
link do post | comentar | favorito
Quarta-feira, 14 de Novembro De 2012

"ACORDAI" POVO DA LUSITÂNIA !!!

vídeo sapo

*

"ACORDAI" POVO DA LUSITÂNIA

*

ouço os apitos lancinantes

das ambulâncias

vejo as chamas de meu país a arder

enquanto as feras rapinantes

se escondem nos buracos das instâncias

de onde saem ordens para morrer

*

não adianta senhor ministro

dizer que são arrivistas

meia dúzia contra um batalhão

tão criminoso é quem condena o cristo

como o carrasco que encurta as vistas

o mais é só cavar a divisão

*

ouço as ambulâncias a apitar

a violência é do governo de ladrões

a mando da alta finança

recebem ordens para atirar a matar

sobre a revolta dos escravos das nações

não podemos permitir esta matança

*

aumentam produtos e serviços

cortam salários rasgam reformas e pensões

são assassinos marginais

arrasaram a economia mantém vícios

enchem os bolsos dos ladrões

ó povo da Lusitânia quando acordais?

*

ouço as ambulâncias na agonia

velhos crianças enfermos

mulheres libertas das milenares grilhetas

não sou poeta mas convoco a poesia

a haver paz tem que ser com os nossos termos

o tempo escoa nas ampulhetas

*

já não saem à rua senão bem guardados

são a maior vergonha dum povo

impostores infames borrados de medo

atiçam as feras seus paus mandados

querem ganhar custe o que custar o viciado jogo

mas o tempo mudou já não é segredo

*

ouço ambulâncias trinonis pungentes

levam o desespero da nação

os povos têm o direito à resistência

nesta chacina somos inocentes

unidos contra corruptos somos a revolução

que começa na nossa consciência...

autor: jrg

sinto-me: revoltado
música: Os Vampiros - Zeca Afonso
publicado por romanesco às 22:44
link do post | comentar | favorito
Segunda-feira, 25 de Junho De 2012

MAIS POVO E MENOS LIXO...








imagem pública tirada da net

**

MAIS POVO E MENOS LIXO

***

nada mais é de verdade

depois de tanta mentira

vivemos da caridade

daquele que mais nos tira

*

alguém pode acreditar

que um povo faça riqueza

sabendo que lha vão roubar

com insensível dureza?

*

somos um povo bastardo

perdido da nossa origem

varremos os bons a petardo

a ver se os maus nos corrigem

*

corre pelo mundo uma história

de portugas amansados

por astutos sem memória

que escondem verdade aos roubados

*

passados novecentos anos

de revoltas sobram mitos

Maria da Fonte fez danos

e Bordalo criou manguitos

*

saem ufanos atrás da tropa

ou quando nada mais resta

iniciativa própria puf! que droga...

se a tomam é para a festa

*

não penso que seja o fado

a melancólica canção

que traz um povo cansado

sem alma nem dimensão

*

fomos celtas árabes marranos

galegos de religião e touradas

futebol e outros enredos humanos

com nervuras adulteradas

*

à força quase empurrados

passam a sábios doutores

corrompidos pelo ter aprisionados

voltaram a ser pastores

*

pelo meio ficam protestos

gritos de indignação

roubos de estado grotescos

a soldo da constituição

*

um povo assim tão rude obsoleto

já não se usa em sociedade

ainda que encapado em douto lhe falta o repto

que todo o ser livre faz à liberdade

*

se ao menos o tempo parasse

a tempo de tudo inverter

dando tempo a que surgisse

uma ideia a defender

*

fica a fama ultra-liberal

de ser povo gastador

quem construiu Portugal

foi coelho o caçador

*

somos um povo castrado

por anos de servidão

a procurar sempre do lado

contrário ao coração

*

querem-nos normalizados

aptos para exportação

achamos graça coitados

haja quem nos dê a mão

*

que fazer perante tal tragédia

sem alma não há movimento

triste drama o da comédia

que nos corta o pensamento

*

não há tempo para a glória

de sermos um povo amestrado

que evita o confronto da história

por impotência sagrado

*

há gente que pensa diferente

até pelo mundo inteiro

ser Português é ser gente

ouçam quem sente primeiro

*

de palavra na lapela

razão ao peito por entendimento

nem pátria nem capela

livre luz ao puro pensamento

*

se para tal for preciso

façamos sem rodeios a revolução

paramos Portugal com um sorriso

de corpo e alma livres da prisão

*

libertemos as crianças do marasmo

de serem o oásis no deserto

um povo que não ri morre de pasmo

um novo humanismo está por perto

*

deste povo nem posso não ser

por isso me inquieto

planto flores na esperança de nascer

a alma feminina que poeto

*

autor: jrg




sinto-me:
música: por esse rio acima--Fausto
publicado por romanesco às 23:34
link do post | comentar | favorito
Quinta-feira, 19 de Abril De 2012

FLORES NÃO FAZEM REVOLUÇÕES...






imagem pública tirada da net

*

FLORES NÃO FAZEM REVOLUÇÕES

***

já os cravos secaram

nos craveiros

passada que foi a euforia

vermelhos debutaram

são de sépia agora nos sequeiros

onde os guarda a poesia

flores da memória que murcharam

*

o tempo hoje é das rosas

de cores garridas

com espinhos agrestes invasivos

de magnólias viçosas

papoilas silvestres nas avenidas

de odores pró-activos

em versos de estrofes mimosas

*

cheira a pólvora seca

fulminantes ou rastilhos de revolta

correm rumores já tardios

rostos corados da indignação que peca

na mesquinhez da razão à solta

somos da alma humana parem os gemidos doentios

o que queremos é ser a força que vença

*

jrg
sinto-me: esperança
música: Os Vampiros-Zeca Afonso
publicado por romanesco às 00:31
link do post | comentar | favorito
Sexta-feira, 06 de Abril De 2012

SUICÍDIO DUM HOMEM VELHO ROUBADO PELO ESTADO!!!

“O governo de ocupação de Tsolákoglu¹ destruiu literalmente todos os vestígios da minha sobrevivência, que se baseava em uma pensão 
digna, onde eu estive pagando por 35 anos (sem apoio do Estado).
E como que eu tenho uma idade que não me permite uma reacção combativa (certamente sem excluir essa possibilidade; Se apenas uma 
pessoa pegasse uma Kalashnikov, o segundo seria eu), não consigo encontrar outra solução, salvo um fim decente, antes de começar a 
procurar comida no lixo para se alimentar.
Creio que os jovens sem futuro vão pegar em armas e vão enforcar aos traidores nacionais de cabeça para baixo na Praça Syntagma, como 
os italianos fizeram com Mussolini em 1945, na Praça Loreto, em Milão”.
nota: tradução copiada do blog da Agência de Noticias Anarquistas...

***

***
*
SUICÍDIO DUM HOMEM VELHO
ROUBADO PELO ESTADO
*
à sombra de uma árvore
frente ao parlamento imponente
na mão uma mensagem
numa outra a pistola sabe-se lá de quem
um homem só que coragem!!!
enfrenta o mundo inteiro numa nação
de peito aberto e mente acusadora
*
fez um contrato com o estado
pagou acreditando no retorno sem duvidar
que o governo é a parte do ladrão
concebido para manter a ilusão de protector
mantendo a rédea curta aos cidadãos
dispondo dos seus bens activos e vidas pessoais
em nome dum platónico estado d'emergência
*
para o estado ele era rico sem ter nada
como não contabiliza o fisco
os nossos gastos fixos quando nos onera com impostos
indignou-se moeu a mente meditando
ser roubado assim por quem mais confiava...
corte na pensão aumentos colossais nas prestações de viver
entrou em depressão era matar ou morrer
*
antes morrer por si que por mão do usurpador
ali mesmo em frente à sede do poder
numa das mãos a carta acusadora ao sistema
na outra a verdade nua e crua da sentença
sob um presságio de revolução eminente pela rotura
dos jovens traídos por esta ditadura
pum...não me levam nem mais um euro de pensão...
*
o resto fica reduzido à hipocrisia
das condolências apresentadas pelos assassinos
há quem fique encolhido a ver se escapa
mas a hora meus amigos é de cerrar fileiras
isto aconteceu na Grécia e acontece no silêncio em Portugal
há algo valioso que podemos exportar
a luz do pensamento que ajude a libertar a escravidão
*
autor: jrg
 
(pária...apátrida...cidadão da MÁTRIA em construção...)
sinto-me: indignado
música: Os Vampiros-Zeca Afonso
publicado por romanesco às 22:48
link do post | comentar | favorito
Domingo, 29 de Janeiro De 2012

PORTUGAL A NU...

****
imagens púplicas tiradas da net
{#emotions_dlg.bouquete}
{#emotions_dlg.blueflower}
{#emotions_dlg.redflower}
{#emotions_dlg.blueflower}
{#emotions_dlg.bouquete}
{#emotions_dlg.blueflower}
{#emotions_dlg.orangeflower}

***
PORTUGAL A NU...
*
eis o retrato a sépia deste país
despido de sua dignidade
sem engenho e arte acobardado
rendido a valor algo infeliz
sem achar em si excelsa validade
vitima da cobiça do passado
*
rostos de gente pobre entristecida
a acarretar fardo pesado
nem sorrisos nem ligeira correria
a alma vagueia espavorida
na rua de trânsito lento moderado
ninguém chora morreu a alegria
*
contaram-nos histórias duma vida
invencíveis bárbaros senhores
contra castela invasores sarracenos
a terra é pobre de pedra vestida
melhor era se fossemos navegadores
ditosos de espada e cruz serenos
*
a achar riqueza alheia enobrecemos
e de novo caímos na desdita
salvos por camões n'outro naufrágio
logo à inquisição agradecemos
a ventura de julgar quem não acredita
senão for de verdade é de contágio
*
longo foi o tempo da pasmaceira
enlevando o pensamento
que a noite é bela mau grado a insolvência
do império em agonia derradeira
afastados da abastança que grassava no momento
orgulhosos da nossa consciência
*
e de novo de fora chegam promiscuas alvíssaras
cabe-vos ser dos serviços serviçais
nada de mar em barcas tão pouco sólidas
nem rural ou indústrias raras
façam vias corruptas para transportes ilegais
vivam felizes sem ideias mórbidas
*
embarcamos na luzidia indústria financeira
a soletrar progresso com embuste
entregamos o mar a floresta e o ambiente
até a alma foi na leva prisioneira
entregue a preço certo por vil e divino ajuste
fica refém de quem a teme mas não sente
*
o tempo é de pensar a novidade
varrer o lixo putrefacto
que infesta de cinismo parte da nação
tomar de assalto a estulta vaidade
rendida à sedução de estranho espalhafato
que indigna na alma o cidadão
*
o tempo é de não temer a ironia
ilusão do poder falacioso
que ninguém se acanhe ante a oratória
somos um povo inverso à heresia
que quando morde é como um cão tinhoso
que se ergue das mazelas e faz história
*
o tempo é de rigor e resistência
se um povo o quer e sente
há um caminho novo em construção
que fundamenta a consciência
e se constrói da revolta permanente
que a insidia provoca ao coração
*
o tempo é de não deixar ela partir
a corda que une a dignidade
cada um em seu saber mas todos a aprender
que o mundo novo a parir
nasce mais belo e justo de verdade
se sair dum ventre de mulher


autor: jrg 
(pária..apátrida..cidadão da MÁTRIA em construção..)
sinto-me: um pária
música: liberdade
publicado por romanesco às 02:20
link do post | comentar | favorito

mais sobre mim

pesquisar

 

Fevereiro 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28

últ. comentários

  • Obrigada, meu amigo... acredite que estou a fazer ...
  • Um abraço também amiga, hoje é seu dia de ser meni...
  • Olá Rosa Fogo, minha amiga...que admiro desde que ...
  • Olá Nelson Moniz...lindo comentário, amigo, que am...
  • meu amigoli alguns poemas e passei uns bons moment...
  • Um abraço grande e fraterno para si!
  • Lindíssimo poema. Parabéns!A infância é eterna em ...
  • Boa tarde minha querida amiga poetaporkedeusquer.....
  • Boa tarde querida amiga Fernanda Cardoso...leio en...
  • Fabuloso poema, amigo João R. Gonçalves! Fabuloso!...

links

blogs SAPO


Universidade de Aveiro