Quarta-feira, 23 de Dezembro De 2009

NINGUÈM TEM O DIREITO DE MATAR UM FILHO MEU!...

ninguém tem o direito de matar um filho meu

porque ele é parte de mim e da mulher mais pura

é gene amor ternura matá-lo só mesmo eu

que sou de mim e dela uma só loucura

 

vieram de longe com pés de encantamento

prometeram que seria homem fora da natura

e ele foi surdo e indiferente ao chamamento

que era de amor de pai e mãe na amargura

 

Foi levado voltou e foi de novo vezes sem fim

espoliou o ser e o parco património

a mente insana o corpo doente escanzelado

o pai sou eu gritei ao mundo levem-me a mim

imaginei matá-lo e ela e eu  mais o demónio

que é da alma de menino inteligente e tão mimado?

 

não há pior tormento que ver um filho amado

ser repasto de abutres famintos de dinheiro

e ser impotente perante a lei triste legado

que forja a crise instante que abate o mundo inteiro

 

de súbito regressou para ficar vinha doente

veio à boleia da rotação da terra

a doença é um estigma que impede o salto em frente

mas ele veio decidido  a vencer e grita e berra

 

lá vai era um menino quando foi levado

o riso cristalino a personalidade

a reconstruir-se de novo rumo ao norte

a esperança de ser no novo mundo um aliado

no silêncio choram os meus olhos sem idade

embevecido de o ver andar lesto e forte

 

lá vai é o meu menino rumo certeiro

sorri de novo aprende jogando

leva no corpo um vírus cínico matreiro

mas tem na alma amor e está amando

 

lá vai meu espermatozóide endiabrado

que bom ceder ao tempo não o matei

hoje é um exemplo da vontade está domado

às leis do pensamento que eu amei

 

autor: JRG

 

 

 

 

sinto-me: aliviado
música: O voo do Moscardo
publicado por romanesco às 21:26
link do post | comentar | favorito
Terça-feira, 19 de Maio De 2009

REPRODUiÇÃO MÉDICAMENTE ASSISTIDA-UM CASO DE SUCESSO

Tinham optado por consolidar a posição social e profissional antes de se iniciarem como pais de uma criança que desejavam ansiosamente mas a quem queriam proporcionar o mais amplo conforto e estilo de vida.

Viviam felizes pelos êxitos alcançados, ela directora de uma empresa multinacional, ele profissional liberal na área da administração de empresas.

Diogo Reis era um homem de porte fino, másculo, rosto expressivo, andar confiante e determinado, uns olhos escuros, afável.

Margarida, uma formosura esbelta, apaixonante, de olhar sonhador, verdes escuros, os olhos, como safiras, romântica, geradora de empatia.

Decidiram que era o tempo de gerarem o seu filho, um fruto do amor que se consubstanciara nos anos decorridos em comum e em que se projectaram como uma família apta para crescer.

Tentaram, mas não acontecia, meses, um ano, dois anos, fizeram exames médicos, os dela primeiro, a determinar que podia engravidar, embora pudessem ocorrer dificuldades devido a pequenos problemas uterinos que podiam ser ultrapassados com tratamento adequado. Os dele angustiantes, espermatozóides lentos e escassos, uma infertilidade de 80% com os restantes 20% debilitados.

Foram jantar a um restaurante diferente, ao fundo o mar, os pontos luminosos das estrelas, a lua em crescente, uma brisa amena de fim de Verão. Falaram sobre as alternativas, a sugestão do médico a fertilização por inseminação artificial, os riscos e as perturbações, sobretudo sobre ela, as listas de espera, os custos num laboratório particular porque nos públicos era impraticável a espera. Tinham esperado demasiado e ela estava com 36 anos.

Olhos nos olhos, húmidos de emoção, as mãos entrelaçadas, frementes de amor, de querer, o seu filho ou filha, um ser que queriam diferente, a sua realização plena como pessoas.

Beijaram-se e disseram sim à aventura da criação, custasse o que custasse.

Inscreveram-se na clínica que amigos comuns lhes haviam indicado, fizeram exames, seguiram as instruções, prepararam a ovulação por indução controlada, Margarida na clínica para o processo de inseminação. Diogo a masturbar-se para que fossem seleccionados os espermatozóides julgados passíveis de se esforçarem o suficiente para fecundarem o óvulo. Masturbação dolorosa, desesperante.

Regressaram a casa confiantes, um sorriso tímido, olhares de esperança, ansiedade, o passar dos dias, 8 dias, 10 dias, cedo para acreditarem, Margarida ficou uns dias em repouso, o aflorar de sorrisos de esperança.

O sonho ruiu no amanhecer daquele dia cinzento, sem sol nem chuva, ainda tépido, uma dor súbita, penetrante. Ficaram abraçados por largos momentos, choraram convulsivamente, apertaram-se, beijaram-se e decidiram repetir dentro do período aconselhável.

Outubro fresco e seco, foi o mês escolhido para a segunda tentativa de induzir com êxito a gravidez que lhes daria a esperança, a felicidade de serem pais, ou como eles diziam, pessoas completas.

De novo o tratamento para que Margarida pudesse receber de Diogo, a semente sã, sem cópula, sem a exaltação do amor, sem o fervor emotivo dos corpos no rebuliço do desejo. E ele Diogo, a masturbação solitária. Há quanto tempo? Desde a puberdade, talvez... Seria amor ou fixação?

Eles estavam convictos que era por amor, eles sentiam amor em cada acto, pensavam no ser frágil que viria, na alegria infinita do seu choro, do seu primeiro clamor pelo direito à vida. Davam-se na totalidade, submetiam-se a tudo e sem a garantia que fosse certo, mas acreditando, esperançados.

Passaram os dias, mal dormidos na ansiedade de saberem resultados, perdas de sangue, dores.

Margarida repousava mais que anteriormente. Mobilizaram parentes para que pudesse manter-se acamada. O tempo parado no meio do tempo. Dias compridos, inesgotáveis. Passou um mês, dois meses, a primeira eco grafia, a segunda eco grafia, o feto estava perfeito, sem deficiências aparentes, as medições corretas.

Um dia, de súbito, uma dor forte e um pouco de sangues fizeram soar o alarme. Margarida chorava convulsivamente. Diogo, quase desfalecido, seria possível?...Amparando-a , palavras de esperança, era apenas um fio de sangue, que sossegasse, seria apenas um pormenor, mas não a perda.

A médica tardava e Margarida, sem conter as lágrimas, o coração palpitando em ritmo acelerado, as mãos nas de Diogo, com que força, nem dava porque o feto se mexia, era como se já não o tivesse.

A médica acalmou-a dizendo que estava tudo bem, podia ver no ecrã da eco, mexia-se, mas havia um rompimento do saco amniótico e era necessário um novo período de repouso absoluto, até que colasse.

A Primavera anunciava-se no sol radioso que resplandecia sobre eles, volvida a esperança, secas as lágrimas, os sorrisos a cada beijo.

Nasceu em Maio que é por tradição o mês das rosas, ou de todas as flores, e era uma menina.

 

Autor: j.r.g.

 

 

É o que me proponho. Escrever sobre vidas anónimas que valem as luzes da ribalta ou a fixação histórica e que traduzem a essência do homem na infinitude da sua existência. A formação de uma família. Um percurso da vida ou a vida toda. Uma efeméride.

Escreverei por encomenda, preços de acordo com extensão e pesquisa de documentação. Mas com a paixão que o percurso proposto me suscitar.

Aguardo a vossa proposta. É uma oferta bonita de Natal ou Aniversário.

 

J.R.G.

 

sinto-me: fértil
música: música no coração
publicado por romanesco às 23:51
link do post | comentar | favorito
Segunda-feira, 01 de Dezembro De 2008

FELIZ ANIVERSÁRIO MAMÃ

 

“O dia começou cinzento com abertas de esperança que o sol aquecesse as almas do povo do burgo fuliginoso que se preparavam para as tarefas diárias. Estávamos no ano de 1938 e a guerra pela partilha do mundo, perfilava-se no secretismo dos gabinetes.

A cidade , onde as casas de aspecto sombrio, acasalavam com a ansiedade espelhada nos rostos, tinha, como em todas as cidades, um aglomerado urbano onde o sol assentava os seus raios luminosos e crepitantes de vida, e onde permanecia, vivificando, no êxtase dos olhares, o esplendoroso jardim de onde sobressaiam as rosas vermelhas e brancas que aromavam o ar e faziam dos moradores, seres mais belos no enquadramento dos verdes e das cores paradisíacas.

O mês de Novembro, prenunciado como um mês de chuvas fortes e frios de enregelar o mais agasalhado, apresentava-se, neste dia 12, de aspecto ameno, a convidar ao passeio ligeiro e sem pressas, apesar do frio, que a escassez de aragem, tornava suportável.

Foi o dia em que nasceu, já a noite ia alta, por entre sobressaltos e augúrios, para que nascesse antes da meia noite, não fora calhar a 13, dia maldito pelas superstições do povo.

Maria Eugénia, foi o nome que lhe destinamos, como o de uma Princesa, tão linda a sua imagem de menina, os cabelos aloirados, os olhos ainda sem a definição da cor, pareciam claros. Um corpinho mimoso que se apresentava ao mundo para que a tomassem e a mimassem.”

_Foi assim que meu pai descreveu o dia em que eu nasci, em nota no álbum de fotografias de família. Mal tive tempo de aprender a dizer mãe, palavra tão bela. Minha mãe morreu quando tinha 14 meses e fui criada pela minha avó e uns tios que me acarinharam com amor.

Os seus olhos agora verdes, de um verde claro como as águas de um lago purificado . Ele e ela, sentados no murete do miradouro das loucuras da juventude apaixonada, de onde se avistava o mar e a planície de aluvião que se esquadrinhava em belíssimos tons de verde, de onde eles estavam e ela se entusiasmava em falar de si, mulher, mãe, avó, mas sempre mulher.

Os cabelos brilhantes de prata, a pele clara e os olhos de um verde esmeralda ou de águas marinhas de uma pureza Tropical. Ela dizia-se gorda,mas ele que a via de uma outra dimensão, achava-a apenas cheinha, aprimorada pelo chic do vestir e o sorriso confiante e de sã alegria, com que por vezes se desfazia em sonoras gargalhadas.

Tinha querido conhecê-lo, aquele homem que escrevia palavras plenas de empatia que ela absorvia, desconfiada, mas prazenteira, porque a dispunha bem e a fazia evidenciar-se da alma.

Os filhos tentaram demovê-la dessa aventura perigosa. “A mãe não sabia quem ele era e estes conhecimentos virtuais são normalmente sustentados por almas tétricas, que congeminam, em desespero por se alimentarem de incautos atrevidos.” Mas ela lera o que julgava suficiente para aquilatar da veracidade do carácter daquele homem apenas um pouco mais novo que ela e fora e viera. Lera intervenções dele num espaço público. Sentira que lhe tinha apreendido a alma.

_Sabe, durante cerca de 10 anos fui tratada com muito mimo por minha avó e meus tios. Para meu pai eu era a luz da sua vida e ele manteve recato conjugal durante esse largo período do meu crescimento. Ainda por cima eu era doente, uma tuberculose ganglionar que me impediu de ser uma estudante diplomada, já que não assistia ao ano escolar completo, perdia por faltas e meu pai esforçando-se para que nada me faltasse, colocou-me em colégios de freiras e laicos chegando mesmo a colocar professores particulares em nossa casa. Aprendi música.Sei mas não tenho grau académico...

Os pinheiros de cujo aroma se deixavam embeber na doçura da tarde, protegiam-nos do sol que, no pino do dia, se tornara ardente. Era um sol de Outono, amarelado e belo.

_Imagino que era muito linda quando jovem e ansiava por encontrar o seu príncipe encantado.

A avaliar pela sua imagem presente, diria que era exuberantemente bela. E encimada por uma auréola de grande espiritualidade.

Ele viera porque se encantara daquele sorriso e da alma que perpassava indómita daquele ser ousado que o interpelava desabridamente sobre temas da sua interioridade. E onde lia aspectos de uma vida intensa de paixão e amor, por um homem que estava em todas as maravilhas que lhe aconteceram, e pelos cinco filhos que advieram desse amor intemporal.

_Não se adiante, ainda vou na minha adolescência. Tinha cortado as tranças e usava o meu primeiro penteado de menina crescida. Lembro-me de estar deitada no meu quarto onde nada faltava, a criada trazia-me o comer e tudo o que eu pedia. Em baixo, a minha madrasta perguntava se queria mais alguma coisa. Eu dizia que não, mas faltava-me o mais importante em qualquer doença, um carinho de mãe.

Notei uma lágrima nos olhos dela que se semicerraram por um momento, ou fora do sol que espreitava matreiro por entre a folhagem de agulha dos pinheiros? Levantou-se e deu uns passos em volta de onde eu estava, olhou o mar, do lado de cima do mar, de dentro de si para o mar e suspirou com ênfase, como se doesse ainda, se escaldasse, se mantivesse acesa a chama. E voltou com um sorriso nos lábios, dizendo-me com ironia.

_A minha vida dava um romance, mas seria eu quem o escrevia, ou pensa que lhe ia contar as minhas intimidades?

Ele sorriu e baixou os olhos para que não se confrontassem. Ele sentia esse desejo de a dissecar, de

explorar toda a sensibilidade que vislumbrava por detrás daqueles olhos verdes em tons claros, dissecar-lhe da alma as dores e as alegrias, os desgostos e as virtudes, as realizações e os sonhos.

_Fale-me de como era namorar nesse tempo em que, as famílias de bem protegiam até ao exagero as virgens casadouras, as castravam da liberdade de amar, de ser. Ou de se permitirem ir sendo de descoberta em descoberta, de se refazerem a cada fracasso ou desilusão.

Maria Eugénia olhou-o nos olhos, como que a querer decifrar se ele estava a abusar, se a queria induzir a que lhe falasse de assuntos que apenas a ela diziam respeito.

_Ah!, namorar!...Os meus pais e eu, vivíamos numa casa térrea, com um portão e a caixa de correio

à entrada, do lado esquerdo de quem se volta para a moradia.
_Um palacete.

_Qual palacete, seu nabo!...

Riram-se os dois, em efusivas gargalhadas. Os melros que debicavam grãos ou simples minhocas ali perto levantaram voo assustados. Passeavam lado a lado por entre hortênsias perfumadas. No lago, um casal de cisnes em movimentos graciosos lembram o Lago dos Cisnes.

_Era uma casa simples como tudo na minha vida, como eu na minha essência. Onde não faltava nada, mas simples O meu Príncipe, que eu tinha descoberto há bem pouco tempo, não podia entrar na minha casa antes de ter feito o pedido da minha mão a meu pai, daí, vinha pela calada da noite trazer-me bilhetes com poesias exaltantes de amor, que deixava na caixa do correio. Eu já sabia e tínhamos até inventado um sinal...

_Que sinal?...

_Isso é o que você queria saber. Só estou a divagar sobre o que acho que devo, ou posso confiar-lhe.

Inocências do meu viver. Eu descia da casa e vinha até junto do portão e quando ele estendia a mão dele para colocar o bilhete na caixa de correio, eu estendia a minha em simultâneo e tocava-mo-nos, com as pontas dos dedos. Apenas as pontas...e corria de novo para a casa, antes que alguém visse, ou desse pela minha falta.

Os olhos dele e dela encontraram-se de novo. Havia uma luz cintilante de tons suaves em cada olhar.

Há quanto tempo? De onde esta alma que se compõe de luz e magia fantásticas? De que povo ou espécie, ou de que outro Planeta. Porque ela era de um tempo para diante de si, não de trás mas de mais além e tudo nela se consubstanciava numa palavra. Amor.

_Fiz uma cura intensiva da minha doença e casei-me com o meu Príncipe, um homem que surgiu na minha vida para me dar amor e prazer de viver. Tinha o dom da poesia e da declamação. Foi um bom pai e um bom amante de sua mulher e de seus filhos.

E você?.. quem é você, afinal... tem nome?...

Ele sentiu a mudança brusca, como se ela se tivesse cansado de dizer de si, ou algo dela se rebelasse pelo desnudar da alma perante um homem que conhecia de há alguns dia apenas e que a ouvia em silêncios cortados aqui e ali por interpelações que a animavam a dizer mais, entretida em desfazer a solidão que se procurava instalar, e apesar de,como dizia, ter um grupo de amigos havia mais de 30 anos que se reuniam todos os meses em casa de cada qual em convívio de petiscos e conversas animadas até ás tantas da madrugada. Solidão que advinha de não ter um companheiro, seria? Ou de se sentir aprisionada nas teias da vida, obrigada agora a ter de dirigir tudo de si, a ser ela plena e única!... Mas sentia a falta de um carinho,um mimo, uma atenção, alguém que a fizesse ainda sentir mulher na sua infinitude.

Ele olhou-a compreensivo, um sorriso que a procurava no sentido mais obscuro do ser ela, a dar-se de amigo, porque ele tinha uma mulher que amava. Tinha uma vida completa, ainda que desfasada da concretização absoluta, e tinhas filhos e netos, mas amava o ser humano e bem mais do fundo de si, como que uma necessidade visceral, ou das profundezas etéreas da alma, o ser de mulher em toda ela a sua interioridade e exterioridade, o corpo e alma, a essência que o completava como homem absoluto. E sim, tinha um nome, era João Miguel.

_ Um seu criado_ e fez uma vénia digna de uma princesa.

Maria Eugénia soltou uma das suas gargalhadas estridentes, e pousando-lhe a mão sobre o ombro...

_ Você é mas é um nabo, um grande nabo!...

Estavam na sala de exposições onde decorria uma mostra da obra de Cargaleiro, pintor conterrâneo do local, e admiravam o traço fino exteriorizado na interiorização das cores multiformes em amplos esboços do que poderia ser uma evidência de cidade ou de mundo em explosão de cadências abstractas.

_Tive cinco filhos, ou seja, quatro raparigas e o meu caçula que surgiu por último, O  Manuel. A primeira foi a Georgete, a seguir Rosita...

_Tive uma grande amiga que se chamava Rosinha..

_Cale-se, seu nabo, deixe-me Terminar. Ofendi-o?

_Não, Maria Eugénia, continue, gosto deles crus. Adoro-os...nada me ofende de si...

Ela dera-lhe uma palmada nas costas. Sentia que mandava, que era ela quem determinava as regras do jogo, sem o abespinhar, porque o sentia colaborante ou rendido à sua sedução de poder, ou inebriado das extrapolações que ela fazia do seu sentido de humor para a realidade que eles eram, amigos.

_Anabela que está numa Ilha, longe e Tatiana, a última das raparigas. E tenho por eles um extremo amor, sempre que me chamam eu vou. Ainda que tenha projectos, largo tudo e vou, por que eles são os frutos do meu grande amor, são os mais lindos e belos filhos do mundo, são meus. E tenho netos, ou julgava que era só você que os tinha? O Lourenço, que é o mais velho, da minha Georgete, com quem tenho uma cumplicidade muito profunda, a Belinha do meu Manuel, um encanto de menina, tão mimosa, como são as meninas e o Rafael da Minha Tatiana, que é o mais rabino, o mais irrequieto e com quem tenho, igualmente,laços de grande empatia e muito amor.

A tarde aproximava-se do seu termo. Sem darem por isso correram todo o parque, o jardim decorativo de amplos espaços verdes e flores de uma beleza expectante. Sentiram aromas cruzados de diversos sabores. A exposição de pintura, a vista soberana sobre o mar, descendo a falésia e detendo-se o olhar nos quadrados certinhos das pequenas hortas espalhadas na planície , e nas tonalidades dos verdes e o castanho da terra.

Queriam ainda ver o por do sol que ambos adoravam e de que tinham sempre uma sensibilidade diferente a cada um que viam, porque não há dois momentos iguais.

_Estou certo que todas as suas belas filhas e o seu filho maravilhoso, têm por si um amor infindo de paixão. Quase uma irrealidade hoje em dia, em que os critérios materiais se sobrepõem à mais valia humana e ao espírito que norteia o grupo, ser do mesmo clã, o sangue e a alma, os valores da integridade da família, como um só corpo e uma só alma, ou uma só alma repartida em vários corpos mas de índole idêntica, a alma. E tem quantos anos, a Maria Eugénia?...já fez sessenta?

A ele parecia-lhe com toda a fiabilidade do seu poder de análise, que ela estaria próximo dessa idade, pelo tom da pele, acetinado ao olhar,a desenvoltura do espírito, o raciocínio lógico e perspicaz, onde ele próprio já vacilava, pelo porte direito , quase altivo, ou altivo de facto, porque era ela quem tinha sempre a última palavra, ainda que despropositada.

Ela riu-se, pensou primeiro que ele a gozava despudoradamente, que se ria à sua custa , por pensar que ela embarcaria nessa da simpatia de dizer uma idade menor, que a sobre-valorizasse no conceito em que o abarcaria.

-Não, os meus filhos riem-se da forma como eu digo a minha idade actual. Não porque eu tenha preconceitos, mas gostei da ideia. E então eu digo que estou acima, ou tenho mais que 68 e vou fazer 70.

_Então tem 69 !!!... disse as palavra admirado, porque não a fazia com aquela idade.

_Seu nabão!!!...e era para dizer? Era???... Faço anos dia 12 deste mês de Novembro.E logo pela madrugada, ainda no silêncio da noite, para que nada interfira no meu grito, tenciono descer ao quintal da casa e gritar à Lua: Acabaram-se os 69!!!... E como a Lua é mentirosa...percebe???...

Riram-se num abraço de amigos, os olhos leais que interagiam luminosos nos encontros da alma.

Teriam uma hora para o por do sol e experienciar o sentir dessa imagem sedutora nas suas sensibilidades, ainda que diferente.

Passou por eles um Pavão e outro e mais alguns em majestosa exibição de caudas em leque de multi-cores fascinantes.” A dança pungente de um animal carente “

_E a festa? Como e aonde vai ser?...Sonha com ela, a festa? E os presentes...

O rosto dela iluminou-se de uma forma que a tornava ainda mais bela. Passou a mão pelos cabelos prata, o verde dos olhos tornou-se mais cristalino. O Sol em descida lenta para o ocaso, os pavões emitindo sons guturais caracteristicos da dança do amor. E de repente serena, as palavras pausadas, como se temesse errar.

_Não sei como nem onde vai ser, embora ouça uns zum zuns, em surdina, que se apagam quando me aproximo.. É verdade que eu gostava que fosse na minha casa, com a presença de todos sem excepção, mesmo a minha Anabela, Seria talvez o meu sonho maior deste momento, mas compreendo que cada um deles tem a sua vida, não posso exigir tanto da vida que tanta coisa bela me permitiu viver, desde logos os filhos. Será, por certo na casa de um deles.

João Miguel, digo-lhe com sinceridade, que realizei praticamente todos os sonhos que idealizei. Ficar-me-á este, mas tê-los-ei juntos pelo Natal. E quanto a presentes, satisfaço-me com um beijo e o amor que sinto neles por mim.

Estavam sentados num dos bancos de madeira que ornavam as laterais do caminho, serpenteado, entre os canteiros de flores. Os pavões insistiam na conquista do amor, a brisa arrefecia o ar, adocicando-o, enquanto o sol descrevia o arco que o conduziria ao abismo do mar.

Maria Eugénia, olhando as cores em que se repartem os raios solares em reflexos de sais e mar e gases cósmicos, vai dizendo um poema espontâneamente:

 

Ter amor, esse sentimento tão profundo

eu em ti e tu em mim, como um só corpo

Ter amigos, intensos, que nos ajudem

e que não digam aquela frase torpe

" se és meu amigo não me pessas  dinheiro emprestado".

Ter família

Ter gente que se interessa por nós

e gente por quem nos interessamos.

Ter gente que partilha a solidariedade.

Ter trabalho que nos alimenta os ócios.

Ter saúde e alegria por viver.

Ter orgulho de sermos o que somos.

Ter vontade. de viver sete vidas.

Ter sonhos que regurgitam na memória livre

e se soltam para se realizarem.

Ter medo que nos usem e abandonem,

descartável, sem préstimo.

Ter sorrisos que encantam quem nos quiser descobrir.

Ter a alma romântica de poeta.

e espalhar poesia como arma de arremesso.

Ter a faculdade de aprender e de ensinar.

Ter a humildade de reconhecer que nada sabe.

Ter  a mente aberta a novas descobertas.

Ter o homem como fim de todos os motivos.

Ter da arte e do engenho e a ideia da concórdia.

Ter imagem.

Ter valores.

Ter a porta sempre aberta.

Ter uma convivência pacifica com os outros animais

Ter a graça de uma criança e ser feliz

 

 João Miguel ouve em silêncio a voz quente e terna de Maria Eugénia, os olhos fixos nas imagens que sempre lhe provocam o êxtase da alma, interioriza-se na alma amiga que diz como se cantasse. E vê o mar refulgindo ainda, não de prata, talvez seja oiro e o céu rubro de sangue emanescente de vida. Em toda a linha do horizonte, há medida que o sol, como bola de fogo transparente, mergulha nas águas cinzentas do mar, numa magnífica  imagem de tons avermelhados, como uma linha limite entre a luz e a noite, a desvanecer-se...a iludir-nos...

_Maria Eugénia, foi um dia encantador. Conhecê-la, estar consigo uma tarde inteira e assistir a seu lado, em volta de si, a este evento cíclico de cada dia e ouvir a sua voz sussurrando esse belo poema que me deixa mudo da emoção de a ter como amiga. E, porque não sei construir nem dizer poemas, vou dizer-lhe uma premonição que me surgiu durante a nossa tarde da cavaqueira.

_Uma premonição, seu nabo!... Veja lá o que diz!...Não brinque com coisas sérias...

Maria Eugénia diz estas palavras com um sorriso que transparece alegria e ele ousa continuar, certo que não cometerá nenhuma indelicadeza.

_O seu aniversário vai ser em sua casa, como sonhou um dia. Fará o seu grito à Lua pela madrugada.Vestirá um vestido lindo de ramagens brancas sobre azul e usará a gargantilha que um dia o seu amor lhe ofereceu.

A Primeira a chegar é a Tatiana. Vem eufórica por a festejar. Vem bela, porque é linda e tem a poesia no olhar, vem o António e o traquina do Rafael que lhe pede colo com tanta doçura que não o consegue evitar. Olhe, surpresa, vem o Ricardo, o seu neto por simpatia, e por quem a Maria Eugénia nutre o mesmo sentimento de amor, como se fora seu neto de verdade.

Os seus olhos lacrimejam logo aos primeiros beijos, assim não vale...A seguir vêm a Rosita, a Georgete, O Manuel que traz a Isa, sua mulher e a maravilhosamente bela Belinha, a sua única menina da segunda geração. O som das vozes de alegria ressoa por toda a casa em harmonia de sons, é tanto o amor que se sente do lado de fora da casa. Batem à porta e o seu coração estremece, é o Lourenço o seu neto primogénito, e traz um ramos de lindas flores que a enternecem é comovente o seu abraço.

Os seus olhos inquietam-se por um momento que se fez de silêncio. Olha a mesa posta com a sua mestria de tantas vivências. Sabe que falta apenas uma das suas crias, tão amada como todas as outras, tão querida e desejada como cada uma das outras que a olham porque sentem de si como você delas. Falta Anabela. Mas sabe que era impossível que viesse, muita despesa, o marido ocupadíssimo. Afasta os cabelos com o seu maravilhoso gesto carregado de sensualidade, a sua sensualidade. E diz, peremptória, como se tivesse acordado de um sonho:

_Vá, meninas e meninos, estamos todos, vamos começar!!!...

A sua música, a música que se tinha oferecido a si própria para a acompanhar na transbordante alegria de os ter em sua casa, parou de repente, alguém colocara uma outra música, a que lhe ofereciam todos no seu conjunto a música deliciosa do parabéns a você. Os mais pequenos batiam as palmas de contentes, havia lágrimas de alegria em todos os olhares fixos na sua imagem sedutora de mãe. Batem à porta de novo. O seu rosto corado.

E é a Maria Eugénia que corre para a porta, embargada de comoção, incrédula mas crente o coração apertado, sem espaço, latejando, os olhos sem ver, toldados de lágrimas abre a porta e cai nos braços dela,

_Anabela, minha filha!!!...

E todos acorrem em volta de si e acompanham  a música:

Parabéns a você...nesta data querida ....muitos anos de vida...uma salva de palmas...

_Seu nabo!!!...
 

Autor: J.R.G.


Original oferta de Natal ou Aniversário 

É o que me proponho. Escrever sobre vidas anónimas que valem as luzes da ribalta ou a fixação histórica e que traduzem  a essência de um homem, de uma mulher. Uma oferta de Natal ou aniversário.

Escreverei por encomenda, preços  a partir de 60 Euros, de acordo com extensão e pesquisa de documentação. Mas com a paixão que o percurso proposto me suscitar.

Aguardo a vossa proposta.

 

J.R.G. 


 

 

sinto-me: construtivo
música: Bolero de Ravel
publicado por romanesco às 15:25
link do post | comentar | favorito

mais sobre mim

pesquisar

 

Fevereiro 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28

últ. comentários

  • Obrigada, meu amigo... acredite que estou a fazer ...
  • Um abraço também amiga, hoje é seu dia de ser meni...
  • Olá Rosa Fogo, minha amiga...que admiro desde que ...
  • Olá Nelson Moniz...lindo comentário, amigo, que am...
  • meu amigoli alguns poemas e passei uns bons moment...
  • Um abraço grande e fraterno para si!
  • Lindíssimo poema. Parabéns!A infância é eterna em ...
  • Boa tarde minha querida amiga poetaporkedeusquer.....
  • Boa tarde querida amiga Fernanda Cardoso...leio en...
  • Fabuloso poema, amigo João R. Gonçalves! Fabuloso!...

links

subscrever feeds

blogs SAPO


Universidade de Aveiro