GLOBALIZAÇÃO

I

adejam sobre mim alvas gaivotas
grasnam inconstantes sobre o rio
brilho resplandece o sol a que devotas
teu rosto que balança como um fio

A noite se expande docemente ao luar
amam-se os amantes no fundo escuro
ciciam tramas vagabundos ao chegar
liberto o amor segue de nós porto seguro

no jardim flores adormecem perfumadas
vagalumes cintilam de entre a folhagem
criança adormece em sonhos fumegantes

almas pendentes vagueiam acordadas
assistem impotentes ao destruir da ramagem
que deixam sem abrigo os globais amantes

 

II

de onde vens bela e pura
trazes nos olhos a saudade
de mulher que ama e que perdura
para além do mito a claridade

as tuas palavras doces criam empatia
teus beijos seduzem de mim o olhar
a amizade cresce em mim a simpatia
como entre nós na distância cresce o mar

vislumbro no teu coração o fogo da amizade
que é uma forma de amar com mais pureza
o que um homem e uma mulher podem fazer

na vã distância se encurta de nós a humanidade
podemos até banir do mundo a vil tristeza
e banquetearmo-nos d 'amor amigo até querer

 

sinto-me: Poético
música: O voo do Moscardo
publicado por romanesco às 16:12
link do post | comentar | favorito