A POESIA - IV...EFEMÉRIDE...

 

 

 

 

foto tirada da net

 


o que tem de poesia
um corte um apagão eléctrico
o acender das velas a magia
das sombras no silêncio quase patético

a troca dos sorrisos esquecidos
na azáfama da luz que ofusca o pensamento
o romantismo dos abraços inibidos
na melodia dos sons em movimento

o que tem de poesia
a luz da lua e das estrelas
a luz bruxuleante da lamparina
que açula nos amantes a fantasia
quebra o gelo entre querelas
permite ouvir um riso de menino de menina

abre o coração à fugaz simplicidade
que o alarido de viver ofusca
reforça com amor a amizade
que a paixão extinta solta brusca

o que tem de poesia
olhar os corpos de novo na penumbra
e neles remar como se rema na maresia
a alma calejada a pele rubra

a regredir de uma outra memória
os corpos nus ao fogo da fogueira
acalentados de não ter o que fazer
a cada olhar um conto ou uma história
a alertar a alma contra a cegueira
da vida verdadeira por viver

o que tem de poesia
esta emoção de nos acontecermos
a romper da negra noite  a luz do dia
antes que seja a hora de adormecermos...

autor . jrg

sinto-me: inspirado
música: Trovas da idade média
publicado por romanesco às 00:01
link do post | comentar | favorito